//
você está lendo...
COLUNISTAS, NOTICIAS, SARA VITORIANO

"Ah, se o Passado Voltasse!" Parabéns Seu Zuca pelos seus 100 anos

BEM VINDO A COLUNA DA SARA VITORIANO DE SOUSA. MESTRA EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO GRADUADA EM GEOGRAFIA PELA UFCG, EXERCE FUNÇÃO DE PROFESSORA DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE SÃO FRANCISCO E PROFESSORA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA HELENA. 

“Ah, se o Passado Voltasse!”

JoséSeverino, Seu Zuca, nasceu no dia 19 de março de 1912, no Sítio Macacos nomunicípio de Sousa, filho de José Severino Gomes e Beatriz Maria da Conceição,sempre foi uma criança bem levada, chegando a desmanchar a procissão pelasquedas dos casais de namorados acidentados nas salsas amarradaspropositadamente, sendo o terceiro filho de dez crias, sendo também o que maisdestacou-se no trabalho, pela força de vontade, que aos 17 anos fugiu de casapara se alistar na RVC (Rede Viação Cearense) que estava montando frentes detrabalhos de Fortaleza à Campina Grande. Alistamento esse que aconteceu nacidade de Pombal, sem o consentimento de seus pais, que foram buscá-lo pararetornar ao lar, sem saber ler, sem saber eles que este filho seria o arrimo dafamília.

Emseus passeis matinais pela estação de Sousa sempre foi muito cobiçado pelasmoças da época e se encantou a primeira vista por uma jovem cabocla, de nomeJoana Ferreira de Sousa, conhecida como Dercinha, este interessou-se logo emfirmar compromisso, fez logo uma visita aos seus pais Severino Ferreira deSousa e Quitéria Ferreira de Sousa, que residiam na Fazenda Acauã, ondeacertaram a data do matrimônio, realizado na Igreja Nossa Senhora Santana, noBairro da Estação, celebrada com uma grande festa no sítio dos pais da noiva,sendo os noivos transportados no Jipe com o nome de Buíque e os padrinhos e osdemais convidados em um micro-onibus antigamente conhecido pelo nome Sopa,segundo o relato de Seu Zuca, muitos convidados que se encontraram no local, seassustaram ao ver pela primeira vez um carro, alguns correram na mata edesaparecidos até hoje.
Dofruto desse feliz enlace matrimonial, nasceram 20 rebentos por ordem denascimento e local de moradia.
Nabarra do pé, no município de Sousa, nasceram Francisco (falecido), Raimunda(falecida), Rita (falecida), Raimundo, Expedito (falecido), Cosmo e Damião(falecidos), Benedita, Tereza.
FranciscoFerreira de Sousa (falecido), Raimunda Ferreira de Sousa (falecida), RitaFerreira de Sousa (falecida), Raimundo José da Silva, Expedito José da Silva(falecido), Cosmo José da Silva (falecido), Damião José da Silva (falecido),Benedita Ferreira de Souza, Tereza Ferreira de Souza, Maria Ferreira de Souza.Passado 10 anos foi promovido de cargo de caçaco para feitor, comprando um lotede terra em São Domingos de Pombal, para onde foi transferido, lá nasceram RitaFerreira de Sousa, Geraldo José da Silva, Severino José Neto (falecido) Mariade Fátima de Sousa, José Severino Filho, Maria Lúcia de Souza, sendotransferido mais uma vez por luna, município de Acopiara, no Ceará, nascendo láMaria Lucélia de Souza, passado dói anos foi transferido para a cidade deSantas Helena Paraíba, no ano de 1960, onde fixou moradia, passados dois anos,requereu a aposentadoria depois de 35 anos de trabalho.
Noano de 1961, foi assassinado seu filho primogênito, Francisco, na cidade deAlexandria, no Rio Grande do Norte, acometendo todos um grande sofrimento,principalmente sua mãe, Dercinha, preocupada com a situação, seu Zuca resolveuarrendar uma propriedade no município de Baixio, por nome de bargado, ondemoraram por dois anos e pra surpresa de todos, nasceu Raimundo Nonato da Silva,o último da dinastia Severino. Retornando para Santa Helena, construíram a casaque até hoje residem, na rua que hoje recebe o nome de Joana Ferreira de Sousa,diante da pouca prole, ainda adotou Maria do Socorro que foi criada no seio dafamília como filha legitima.
Atualmenteos herdeiros genéticos de Severino, constituíram famílias, espalharam-se portodos os estados do Brasil, contando hoje com 53 netos e 41 bisnetos e esperaansiosamente seu primeiro tataraneto.
Semesquecer que comemoraram 50 anos de casado, com uma festa que chamou atenção detodos da cidade, e ficaram juntos até 58 anos de casados, quando partiuDercinha, deixando saudades até hoje a todos os familiares e também seus filhosde parto.
SeuZuca é figura histórica em Santa Helena, a tarde na calçada a espera dacriançada que por ali passa, e é saudada de “bombom para adoçar a vida”.Pensando bem quem nunca recebeu um bombom de Seu Zuca? Hoje comemorando seus100 anos de vida, com muita vitalidade, ainda relembra seus tempos de mocidadecom suas poesias como “Ah, se o passado voltasse”.
Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: